A Empresa
A Cia. Produtores, com unidades em Paranaguá–PR e São Paulo–SP, oferece soluções eficientes e inovadoras para operações com contêineres e armazenagem de cargas em geral, garantindo qualidade e segurança para seus clientes. As unidades operam na consolidação e desconsolidação de cargas de importação e exportação, cross docking, paletização, unitização, classificação e separação de mercadorias.

A unidade de Paranaguá tem certificação para armazenagem de produtos agropecuários com registro na CONAB, atendendo aos requisitos estabelecidos na IN 29 do MAPA e opera como Recinto Especial de Exportação – REDEX. A unidade de São Paulo possui certificação ANVISA para armazenamento de produtos cosméticos e produtos correlatos à saúde.

Paranaguá-PR

São Paulo-SP

anos de tradição

Inovação e qualidade na prestação de serviços no segmento logístico

Cia Produtores de Armazéns Gerais

Uma história em construção e realização de sonhos e ideais.

Os Imigrantes Japoneses e o Café

A história dos japoneses no Brasil, desde a sua chegada, há mais de um século, está intimamente ligada ao café. A maioria dos imigrantes aqui chegados dirigiam-se para as fazendas de café. O primeiro navio com leva de imigrantes japoneses foi o KASATO-MARU. Depois seguiram-se outros, transportando imigrantes que se dirigiam à lavoura cafeeira distribuídos inicialmente na zona da Mogiana e posteriormente à de Araraquara, Noroeste, Sorocabana e Paulista.

Assim, a história dos japoneses no Brasil está ligada às fazendas, onde se habituaram ao novo ambiente econômico e social. É inegável que a vida desses imigrantes foi penosa e árdua no início, mas venceram graças à perseverança e heroísmo. O contrato que os prendia às fazendas variava de 3 a 4 anos, durante os quais se dedicavam ao plantio e tratamento do cafeeiro, que crescia e florescia. Viveram e lutaram com o café e pelo café.

Sitiantes

Terminado o período contratual, de posse de sua pequena economia, procuraram logo a seguir adquirir terras que, por menor que fossem, seriam de sua propriedade. Começa assim, a vida do chamado sitiante. Nessa fase, já se mostravam ambientados com o meio cafeeiro e as florestas que os amedrontavam não mais causavam receio e hesitação. Empenhados estavam em aplicar integralmente os conhecimentos adquiridos, no cultivo de seu próprio cafezal. Amanheciam com a rubiácea e acalentavam sonhos de um dia se tornarem grandes fazendeiros. Para isso deram sua existência à causa cafeeira. Suas vidas nessa época foram talvez de maiores dificuldades do que no tempo em que serviam aos fazendeiros, pois o dinheiro era escasso e o crédito restrito, mas trabalhavam para um ideal que era impossível de se realizar no país de origem. Com o passar dos tempos, no seio desses sitiantes começaram a aparecer elementos que procuraram dedicar-se ao comércio, notadamente de café: iniciavam como compradores , transformando-se posteriormente em proprietários de máquinas de benefício.

Maquinistas

Antes da Segunda Guerra Mundial o número de maquinistas era relativamente pequeno, estavam ainda na fase de experiência. Terminado o Grande Conflito, desta vez com um pouco mais de dinheiro, facilidade de comércio em virtude da liberação dos bens dos súditos, maior volume de crédito que os bancos começaram a lhes dar, surgiu um maior número de maquinistas que se espalharam pelo interior do Estado de São Paulo e, principalmente no norte do Estado do Paraná, que deu inicio a NOVA ERA da cafeicultura do Brasil. Os imigrantes que tinham começado o plantio e a formação de cafezais atingiam também a fase do beneficiamento. Com seus cafés armazenados no interior em depósitos juntos as suas máquinas a preocupação era transporta-los para os portos de exportação e, se possível levá-los aos países consumidores. Essa esperança e ambição, dia-a-dia crescia e tomava forma.

Memorável Reunião dos Cafeicultores e Maquinistas

No dia 23 de setembro de 1951, um grupo de pessoas da colônia japonesa, entre cafeicultores e maquinistas, reuniram-se na residência de um prospero e empreendedor fazendeiro de Cornélio Procópio, no Estado do Paraná, para discutir assuntos sobre o futuro desses cafés empilhados em improvisados depósitos nos arredores de suas residências e máquinas.

Depois de longos e acurados estudos, entremeados de calorosos debates, todos visando o mesmo fim, resolveram fundar uma empresa de armazéns gerais no Porto de Paranaguá, à semelhança de muitos existentes que prosperavam em Santos e Paranaguá. Os cafés colhidos nas fazendas estariam assim no cais, mercê do conjugado esforço de todos que se identificavam com os mesmos ideais. Possibilitaria a venda direta aos exportadores. Posteriormente estudariam a fundação de uma empresa que cuidasse de atravessar os mares e oceanos, levando o fruto de seu sangue e suor, diretamente ao mercado externo. Formariam com o passar dos tempos uma corrente ininterrupta da produção, beneficiamento, depósito à exportação.

Nascimento de uma Nova Organização

Assim resolvido, organizou-se uma comissão que trataria da fundação de uma empresa de armazéns gerais no porto de Paranaguá, no Estado do Paraná.

Essa comissão convocou uma Assembléia para 3 de novembro de 1951, a fim de apreciar as conclusões de seus estudos e nessa memorável data, aguardada com tanta esperança e ventura pelos produtores e maquinistas de café, foi fundada a COMPANHIA PRODUTORES DE ARMAZÉNS GERAIS, concretizando em definitivo, o sonho e o ideal de todos.

ConabConab
MapaMapa
Receita FederalReceita Federal
Copyright © Cia Produtores de Armazéns Gerais 2020